Sem Abelhas não há Alimento

MUNDO ORGÂNICO


Proteger as abelhas é mais que um dever, é necessário para a nossa própria sobrevivência.

Abelha Irapuã (Trigona spinipes)

A polinização representa atualmente um fator de produção fundamental na condução de muitas culturas agrícolas ao redor do mundo. As abelhas são os principais agentes polinizadores dos vegetais que em troca produzem substâncias adocicadas para atraí-las. Elas carregam em seus pelos, o pólen dessa planta florífera. O pólen é importante para o desenvolvimento da colmeia, pois é a fonte principal de proteína das abelhas, logo ao garantir o desenvolvimento da família, a abelha também perpetua a espécie vegetal. A atividade de polinização é, portanto, uma ação involuntária dos polinizadores, mas essencial à vida das plantas. A interação entre as abelhas e plantas garante aos vegetais o sucesso na polinização cruzada, que constitui numa importante adaptação evolutiva destas e resulta no aumento do vigor das espécies, na possibilidade de novas combinações de fatores hereditários e ampliação da produção de frutos e sementes.

Estima-se que no mundo existam mais de 20 mil espécies de abelhas. O Brasil abriga cerca de ¼ destas espécies. Apesar de toda essa diversidade, as mais conhecidas entre os brasileiros são os híbridos, originários da cruza de duas espécies, a Apis mellífera, europeia e a Apis mellífera scutellata, africana, conhecidas como abelhas do mel ou africanizadas, são abelhas com ferrão. Poucos conhecem a grande variedade que possuímos de meliponíoneos ou abelhas nativas sem ferrão. Algumas por serem bem pequenas, são confundidas com outros insetos. Existem também o grupo das abelhas solitárias e ainda as abelhas do gênero Bombus, popularmente conhecidas como mamangabas.

No Paraná existem catalogadas 35 espécies de abelhas nativas sem ferrão. Geralmente são colmeias com algumas centenas de indivíduos, estes constroem potes de mel e não favos. Cada espécie produz o seu sabor de mel. Existem muitas espécies, dentre elas: tubuna, mandaçaia, guaraipo, manduri, jataí, borá, mirim, mandaguari, irapuã, boca-de-sapo, uruçu, jandaíra, tiúba, boca-de-renda entre outras. Um fato curioso é que apesar das abelhas nativas ou indígenas sem ferrão não serem tão populares, de acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura), das 57 espécies de plantas mais cultivadas em todo o mundo, 42% delas dependem das abelhas nativas para sua polinização.